sexta-feira, 2 de maio de 2008

Poema à Língua Portuguesa - Oldney Lopes


Estava procurando sobre a conjugação padrão do verbo repelir na internet, pois escrevi em meu texto a expressão "que a repila" (fiquei em dúvida) e achei um poema que adorei a respeito da nossa Língua Portuguesa.


POEMA À LÍNGUA PORTUGUESA

A língua portuguesa que amo tanto
Que canto enquanto encanto-me ao ouvi-la
Em cada canto é fala, é riso, é pranto
E nada há que a cale e que a repila.

É essa língua tórrida e faceira
Inebriante e meiga e doce e audaz
Que envolve e enleia a gente brasileira
E quem a utiliza é quem a faz.

É a língua dos domingos, no barzinho
A mesma das segundas, no escritório
A que fala o andrajoso, no caminho
E o cientista, no laboratório.

É a mesma língua, embora evoluída,
Que veio de outras terras com Cabral
Escrita por Caminha, foi trazida
Na descoberta do Monte Pascoal

Não há quem fale errado ou fale mal
De norte a sul, é belo o que é falado
Na língua de Brasil e Portugal.
Para julgar quem fala certo ou fala errado

Não há no mundo lei, nem haverá:
Quem faz da fala língua, é quem a fala
Gramática nenhuma a calará
Gramático nenhum irá cegá-la!



Oldney Lopes

Fonte: www.oldney.net

3 comentários:

Genésio dos Santos disse...

Gramático nenhum irá Cegalla! Valeu...

Anônimo disse...

É a língua dos DOMINGOS, nos barzinhos...
Na descoberta do Monte PASCOAL...
Gramático nenhum irá CEGÁ-LA...
Magnífico e engenhoso: Domingos Pascoal Cegalla...

Arthur M Lima

Liana Araujo disse...

"Não há quem fale mal, ou fale errado
De Norte a Sul. é belo o que é falado..."
Perfeito Oldney! Muito lindo e admirável seu respeito para com todos os tipos de cultura!!! Parabéns!!!
Liana Araújo
2015, maio, 18.