domingo, 8 de junho de 2008

Crônica: O filho é o pai do homem II (2008)


Meu querido pai.
O filho é o pai do homem.
"Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança...


(Poema: Os ombros suportam o mundo. Carlos Drummond de Andrade - in: Sentimento do mundo)


A minha transformação em pai foi uma das coisas mais custosas da vida. Nunca havia pensado nisso. É o peso do mundo em suas mãos.

Acho que sempre fui de coração empedernido, apesar de um quê de bondade herdado de minha mãe, além de minha criação cristã.

Tenho me esforçado nesses onze anos para estar nos momentos marcantes da vida de meu filho. Reflito o quanto isso balizará suas ações no amanhã e deixará marcas no homem que será para todos ao seu redor e para o mundo.

Seria hipocrisia se dissesse que não é um sacrifício muitas vezes estar presente nesses momentos. Mas a vida e as recompensas são feitas de sacrifícios.

O que doo para meu filho não é a mensalidade da escola ou os demais custos de se criar uma criança.

O que doo ao meu filho é a massagem que ele pede antes de dormir. Esse tato é um toque de amor (do meu jeito).

O que doo ao meu filho é estar na sua mudança de faixa de judô. É levantar cedo para ir a uma apresentação em sua escola. É prestar atenção no que ele fala de vez em quando, pois as crianças falam tanto e a gente nunca escuta.

Quando reflito sobre o filho ser o pai do homem penso muito em meu pai. Nossa relação foi muito dura. Os tempos eram outros (apesar das relações entre pais e filhos serem milenares).

Não nos compreendemos durante grande parte de minha vida. E meu pai é uma pessoa extraordinária. Me passou o que tenho de melhor no sentido de buscar o que acho justo. Brigar para mudar o mundo é o que herdei de meu pai.

Mas minha relação com meu pai não foi de tato. Foi de distância.

Superei isso no dia que lhe dei um beijo. Já ia para meus quase 30 anos. (Nunca esqueci a imagem do filho recruta de meu professor na Faculdade de Educação Física dando-lhe um beijo na frente de uns 40 alunos para esperá-lo terminar a aula. Ao bater à porta da sala, o professor havia lhe dito que entrasse e aguardasse para irem embora juntos)

Creio que esse negócio de pais e filhos é uma coisa de doação. De quebrar barreiras. De mudanças diárias. De novos homens a cada instante - os de ontem e os de amanhã.

O filho é o pai do homem...

William Mendes



COMENTÁRIO 1º/12/12: me emocionei muito relendo hoje as duas crônicas sobre pais e filhos. 

Nenhum comentário: