terça-feira, 11 de novembro de 2008

Prova de filologia - momentos de frustração


O Grito - Edvard Munch (litografia)

Refeição Cultural 18


Qual é o excremento de minha digestão cultural do último fim de semana?
É a merda da prova de filologia que acabei de fazer na faculdade.

Tanto li sobre a tal matéria que acabei sabendo um pouquinho sobre o que trata a filologia, conceito amplo e restrito, qual o objeto da matéria e alguns princípios da mesma.

Aí chega a tal da prova de 5 questões, sendo uma delas sobre dois autores dos quais não vi em nenhum dos textos que li - e olha que li umas trocentas páginas. Questão em branco.

Veja se tem cabimento um cara da minha idade (estudante retardado/retardatário), já estudando há uns 7 anos o tal curso de Letras e - não me vejo mais como professor de nada - e me cai uma questão com um trecho completamente ilegível de uma carta de 1801 para ser transcrita durante a prova. Eu não consegui entender mais que meia-dúzia de palavras. Questão em branco. (para que isso serviria na minha vida?)

Bom, restam as 3 questões que respondi, sendo que uma delas não irei acertar 100% pois esqueci a metade do nome do cara citado. É o Ramus, criador das LETRAS RAMEIRAS (gostou do nome?). Estou brincando, as letras J e V são chamadas de RAMISTAS, desde o século XVI, graças a Petrus Ramus. Antes desta época, ou seja, no latim clássico, não havia distinção gráfica entre as vogais 'i' e 'u' e entre as consoantes 'i' e 'u'.

CARA, tô de saco cheio de tentar acabar esse curso inútil, como tudo que fiz de inútil até hoje nessa porra de vida inútil.

Fim.

Nenhum comentário: