domingo, 30 de junho de 2013

Chateações juninas ficarão marcadas



Refeição Cultural

O mês de junho acaba hoje.

Ele ficará marcado na história recente do Brasil. 

Na minha opinião, não ficará marcado de forma positiva.

O governo de Luiz Inácio Lula da Silva, o torneiro mecânico que virou presidente do Brasil, um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT) e da Central Única dos Trabalhadores (CUT), gastou quase uma década para mudar a imagem do Brasil lá fora no mundo e internamente, fazendo o povo brasileiro voltar a ter amor próprio e menos complexo de vira-latas, complexo construído a partir da elite tacanha, sem amor à pátria e sem vergonha na cara.

Movimento de massas não tem dono. O que começou como mais uma manifestação legítima do Movimento Passe-Livre (MPL) virou algo maior, virou um movimento gigantesco, com aproveitamento da oposição e dos veículos de comunicação da direita - que no Brasil fazem a vez de partido de oposição (P.I.G.) devido à fragilidade e burrice da oposição partidária - e virou um movimento de esculhambação do Partido dos Trabalhadores, do movimento social organizado (os de esquerda) e virou uma destruição iconoclasta de tudo que mudou e avançou para melhor no país.

Em pouco mais de vinte dias, a imagem do Brasil voltou ao que era antes, na verdade, piorou.

Outra coisa que mudou desde a campanha de José Serra (PSDB) nas eleições de 2010, e dificilmente terá volta, foi a instigação ao povo de preconceitos os mais absurdos. A partir da campanha deste sujeito representante da direita brasileira à presidência da república contra Dilma Rousseff (PT) explicitou-se e despertou-se todo tipo de preconceito, discriminação e intolerância no Brasil.

Agora temos um país onde as pessoas estão deixando de ser receptivas e respeitosas com os estrangeiros e com os seus patriotas com diferenças de si próprios - raça, origem, religião, posição política etc.

Eu achei de uma tristeza absurda o desrespeito dos torcedores contra os espanhóis no jogo da semifinal contra a Itália. Eles foram comemorar a classificação e foram vaiados e esculhambados pela torcida brasileira.

Há um trabalho organizado para que se construa um ódio mortal por parte das pessoas comuns ao PT e aos movimentos sociais, principalmente a CUT e o MST. Hitler fez um excelente trabalho nesta linha em relação aos judeus, pessoas com deficiências, pessoas com orientação sexual fora do padrão heterossexual, pobres e estrangeiros de países pouco desenvolvidos.

Não sei onde vamos parar, mas na minha leitura, o povo brasileiro não será mais o mesmo, para o bem e para o mal!

Espero que as pessoas respeitem tanto os jogadores espanhóis quanto os brasileiros após o resultado final da tal Copa das Confederações.

Espero que o Brasil não vire nos próximos anos um país de um povo intolerante, arrogante e conservador, como é a elite branca brasileira.

Aliás, falando em Copa das Confederações, eu quase não consegui ver pessoas negras ou morenas nas arquibancadas. É um absurdo o que fizeram com o povão que tanto gosta, curte e vive do e pro futebol. Fizeram uma "seleção natural" para as arquibancadas - o preço dos ingressos - ou alguém ainda não viu as tabelas de distribuição de renda por raça e etnia no Brasil...

William Mendes

2 comentários:

Anônimo disse...

tenho a mesma avaliação, companheiro william.
Deise Lessa.

Anônimo disse...

Apoiadíssimo!!!! Concordo em letra, número e grau......
Bjos/ Noni. :)