domingo, 30 de março de 2014

Um sábado de corrida, leitura e prazer em família



Adoro testar minhas superações físicas. 
Aqui foi nos 15 k da São Silvestre 2013.


Um sábado de corrida, leitura e prazer em família


Refeição Cultural


Que bom descansar depois de uma semana de muito trabalho, muita militância e viagens pelo país para conversar com os bancários e falar de nossas propostas para melhorar a nossa Caixa de Assistência dos Funcionários do BB (Cassi). Nesta semana estive em Florianópolis, Campinas, Ribeirão Preto, Belo Horizonte e na Central de Atendimento do BB na capital paulista.

Saí para correr neste sábado, depois de uma semana em que dormi pouco mais de 4 ou 5 horas por noite em camas boas e ruins de hotéis por aí, depois de ter ficado a semana toda em pé e fazer dezenas de reuniões com centenas de bancários. Acordei neste sábado antes das 8h por causa das britadeiras que estão demolindo uma construção em frente de casa. Corri com um dia lindo, lindo. Valeu a pena!

Comi alguma coisa leve. Li um pouco sobre a pedagogia de Paulo Freire no livro Educação como prática da Liberdade e saí para correr e tirar o estresse do corpo e da mente. Imaginem como meu corpo estava cansado. Mesmo assim, mentalizei que queria estender a corrida para um tempo maior que o sábado anterior, quando fiz a mesma coisa para aliviar corpo e mente e corri cerca de 45 minutos.

Comecei com dores nos pés e nos tendões. Aos poucos fui me soltando e me concentrando. Encarei uma subidona, fui para o parque e dei cinco voltas lá na pista e segui correndo. Passei pela subidona de novo e terminei minha corrida de 60 minutos em frente à barraca do caldo de cana do Sr. João. A corrida me deixou muito feliz por testar meus limites e insistir que eu posso atingir objetivos que mentalizo, sejam eles objetivos políticos, profissionais, de estudos e de superação física.

Depois fui almoçar com a esposa no Shopping Continental porque queríamos ver os bonsais que estão em exposição lá. A natureza me encanta muito e eu adoro plantas.

Dormi um pouco no final da tarde. O corpo estava pedindo. Agora de noite tomei uma breja, conversei pelo skipe com minha mãezinha e felizmente ainda tenho o domingo para curtir um pouco a vida ficando em casa e não fazendo nada.



É isso! Correr, ler um pouco, falar com os pais e estar em casa é muito bom! Não tem dinheiro e poder que pague isso (e olha que essas duas porcarias movem o mundo e fazem as pessoas fazerem muita merda por aí).

Nenhum comentário: