sexta-feira, 17 de outubro de 2014

O nazismo se embrenhou na carne e no sangue por meio das palavras


"Não, o efeito mais forte não foi provocado por discursos isolados, nem por artigos ou panfletos, cartazes ou bandeiras. O efeito não foi obtido por meio de nada que se tenha sido forçado a registrar com o pensamento ou a percepção conscientes. O nazismo se embrenhou na carne e no sangue das massas por meio de palavras, expressões e frases que foram impostas pela repetição, milhares de vezes, e foram aceitas inconsciente e mecanicamente. [...]"


Victor Klemperer, em LTI - A Linguagem do Terceiro Reich


COMENTÁRIO



Lendo a obra do filólogo Victor Klemperer, cada dia que passa, mais me convenço, do risco que estamos vivendo no Brasil, da ascensão do fascismo, que sempre usou de ferramentas para atuar no inconsciente das massas.

Os meios de comunicação concentrados em poucas famílias em nosso país, estrutura organizada principalmente durante os anos de chumbo da ditadura civil-militar no Brasil - golpe contra o governo do presidente João Goulart -, fez com que se estabelecesse desde os anos sessenta até hoje, um "poder imagético de verdade" construído por esses bilionários donos dos veículos de comunicação que decidem qual a pauta a se falar, ouvir, ler, ver até a exaustão. É impossível um cidadão se livrar das manchetes nos jornais televisivos, capas de jornais e revistas nas bancas e painéis nas áreas de grande circulação, nas rádios etc.

Omite-se a corrupção dos aliados, no caso dessa mídia brasileira, a corrupção do partido PSDB e aliados, e se exponencia denúncias de corrupção do governo que a mídia quer derrubar - no nosso caso brasileiro, os governos do PT, PCdoB e aliados.

Estamos vivendo dias de Blitzkrieg (termo alemão para "guerra-relâmpago") contra a candidata Dilma Rousseff do Partido dos Trabalhadores.

Até nossos amigos e familiares, quando veem, já estão sendo manipulados pelos meios de comunicação para tenderem a estar do lado de nosso inimigo, nosso algoz, que tem como proposta ou chavão de governo "a mudança". No caso brasileiro seria "mudar" o que? 


Eleições 2014 opõe Dilma PT x Aécio PSDB.
Imagem site Luis Nassif.


Mudar o que com o PSDB?


Maior geração de emprego 
mudar para desemprego

Aumentos reais de salário 
mudar para redução de salários

Crédito popular 
mudar para redução do crédito para "reduzir inflação"

Bancos públicos fortes e atuantes na economia 
mudar para fim da "intervenção" dos bancos públicos ("livre-mercado")

Políticas sociais inclusivas para milhões de pessoas 
mudar para redução porque isso é assistencialismo

Combate a corrupção de qualquer segmento social 
mudar para voltar a prender ladrão de galinhas e apuração "eletiva" (dos outros)

Enfim,

Meu povo brasileiro trabalhador, converse com seus pares e vamos votar contra a volta ao passado e vamos seguir avançando com mais democracia, mais tolerância, mais inclusão social e distribuição de renda a partir do trabalho. Isso sim, é lutar contra o fascismo e o elitismo para poucos.

William Mendes

Nenhum comentário: