segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Romaria de Uberlândia a Água Suja 2015



Momento final de caminhada. Falta pouco pra cidade.

Refeição Cultural

Tenho que escrever um pouco sobre a minha caminhada de Uberlândia até a cidade de Água Suja, realizada na última sexta-feira, 7 de agosto.

Estou dando um tempo com redes sociais, rede mundial de computadores e postagens já faz alguns dias. Estou precisando desses instantes de recolhimento dessa loucura que virou o nosso mundo real, sendo pautado, manipulado e destruído por alguns donos de tudo nos meios de comunicação, meios que têm a capacidade de alterar a vida real por um mundo virtual (dizem que a internet é um meio caótico, mas é bem menos do que pensam por aí - na verdade, tudo no mundo virtual é muito bem planejado e direcionado).


A Romaria 2015

Fiz a caminhada novamente sozinho neste ano. A exceção boa e diferente em minha vida de caminhante foi em 2014, quando meu filho decidiu ir comigo.

Meu filho fez também a Romaria neste ano, pela segunda vez. Veio a Uberlândia com um amigo e depois ouvirei dele o que ele sentir desejo de narrar.

Saí do bairro Alvorada às 17 horas para fazer os cerca de 75 km. Faz muito tempo que não saía tão tarde. Mas foi tudo devidamente planejado. Dormi um pouco, logo após almoçar. A estratégia deste ano era não ter sono durante as 12 horas noturnas e caminhar bem para faltar pouco ao amanhecer.

Não foi noite de Lua boa. Foi Lua Minguante, que apareceu lá pelas duas horas da manhã.

Preparei bem meus pés com esparadrapos, porque o receio era grande. Não trocava o tênis da Romaria desde 2013, porque em 2012 usei outro e me arrebentei todo. Em 2011, 2013 e 2014 foi incrível não ter bolhas.

A estrada estava com um bom volume de gente ao longo da caminhada e tinha muitas barracas de ajuda. Ano passado, fiz com a estrada deserta e foi bem tenso.

Faz tempo que não caminhava por tantas horas ao ritmo de minhas músicas antigas gravadas em fitas cassete. Meu aikman é um aparelho trambolhão de 1987 e funciona com pilhas. Nunca o troquei pelas mídias modernas, pois ele é um marcador de tempo porque tem que virar a fita a cada lado (30 minutos). Além disso, me tira do automatismo ao andar cansado. Ele me faz sair do estado catatônico. (lembram de Lawrence da Arábia e os beduínos atravessando o deserto... caiu do camelo, já era...)


Raras fotos desta vez. Esta é da Alvorada, na estrada,
por volta de 6:30h da manhã de sábado.

- De Uberlândia ao Rio Araguari (16 km)

Foi tranquilo. Escureceu cedo. Parei em uma barraca e comi um lanche. Cheguei à ponte às 20:15h. O tênis que escolhi se mostrou um pouco duro, mas por sorte protegi bem os pés.

- Do Rio Araguari ao antigo Posto Triângulo (+ 11,5 km = 27,5 km)

Também caminhei bem. Estava muito focado. Céu estreladíssimo! Pés em bom estado. Cheguei na referência às 23h. Coloquei blusa. Sem ouvir música até ali.

Preparei meu aikman e duas fitas cassete para andar até o próximo ponto madrugada adentro.

- Do Posto Triângulo (desativado) até o Posto N. Sra. da Guia (+ 10 km = 37,5 km)

Andei num ritmo muito bom. Não tive sono. Os pés estavam estabilizados. Quase não parei em barraca de ajuda. Calculei chegar umas duas horas e cheguei à 1:20h. Ouvi música da boa: Cranberries, Aerosmith, Metallica, The Verve, Rolling Stones, AC/DC, Deep Purple etc...

Meu ritmo estava bom, mas na parada senti leve queda de pressão. Passou.


O amanhecer foi emocionante. Eu estava bem.

- Do Posto N. Sra. da Guia até a Barraca de Ajuda na Antena (+ 11 km = 48,5 km)

Troquei as fitas cassete, concentração total, e peguei a estrada para andar até a Antena. Saí às 2h e calculei chegar depois das 5h (cheguei 4:45h). Caminhei bem, não tive sono. A luz vermelha da Antena estava desligada e isso, psicologicamente, fez um efeito incrível. Todo ano, sabemos que quando se avista a luz ao longe, se anda anda e anda e gasta mais de uma hora para chegar. Com a luz apagada, eu estava num ritmo esperando a visão da luz e quando dei por mim, lá estava a barraca. Foi legal.

Ao chegar, ao invés de entrar na fila para tomar a famosa sopa, acabei procurando um canto para deitar alguns minutos em meio à multidão, porque a pressão baixou de novo. Fiquei na Antena até às 6h da manhã. Não passei frio este ano. Tomei a sopa reconfortante e saí para outra caminhada mais longa ainda. Os pés estavam muito bons e não estava sentindo cansaço muscular!

- Da Antena até o Posto Santa Fé (+ 12,5 km = 61 km)

Saí da Antena antes do amanhecer e calculei que chegaria depois das 9h da manhã. Com fitas novas, ouvi a trilha sonora do filme Forrest Gump e muito mais rock do bom: The doors, Pink Floyd, U2, Kiss, Van Halen, The Cure, The Cult (Edie) etc...

Caminhei bem pacas! Cheguei ao Posto Santa Fé às 8:30h. Sem sono, sem bolha. O amanhecer foi lindo!

Este ano, não estive muito pra fotos e vídeos. Não tirei a máquina da mochila até que vi a Alvorada e então decidi registrar.


Foto: Alvorada no caminho de Água Suja.
William Mendes

- Do Posto Santa Fé até o Atalho nos Eucaliptos (+ 6 km = 67 km)

E, de repente, o cansaço bateu pesado! Sol fortíssimo no rosto... Saí às 9h do posto para caminhar até o Atalho. O corpo sentiu.

Por um lado, realizei o planejado de pela primeira vez não reduzir tanto o ritmo de caminhada entre a saída e a chegada, porque saio andando uns 5,5 a 6 km por hora e termino andando a 3 km por hora, todo estrupiado; desta vez, andei no mesmo ritmo da saída, depois de percorridos 50 km. Por outro lado, deu uma quebrada geral indo para o Atalho. Custei a chegar.

Cheguei ao Atalho às 10:40h e a pressão caiu de novo. Tive que deitar uns 30 minutos para me recuperar e sair para o último trecho.

Neste último trecho ouvindo minhas velhas fitas cassete, fechei com chave de ouro: Dire Straits - Sultans of Swing, The Verve - Bittersweet Synphony, Metallica - Mama Said, Smashing Pumpkins - Tonight, Tonight etc...

- Do Atalho até a Cidade (+ 8 km = 75 km)

Cheguei por volta de meio-dia e meia à cidade. Fiz um tempo muito bom neste ano: 19 horas e meia. Não tive bolhas, não tive sono. Dei sorte em pegar o ônibus logo para voltar à Uberlândia. E mesmo assim, fui chegar quase às 17 horas para descansar.


A chegada à cidade e à 
Igreja de N. Sra. da Abadia de Água Suja - MG.

Reflexão final

Fiz um planejamento ousado, mas consciente, para a caminhada. Fiz uma caminhada concentrada, firme e exigente. Meu corpo e mente responderam. Lidei com os momentos difíceis na caminhada como consequência do que defini. Foi duro. Fui duro.

Refleti muita coisa, muita coisa mesmo. Os tempos estão e serão duros em minha vida pessoal, profissional e para o meu querido e amado país. Estou firme para cumprir meus desígnios e não tombarei fácil para nenhuma dificuldade.

Meu coração está leve. Não tenho ódio como tinha no passado. Mas sou feito do mesmo barro de sempre. Meus valores seguem os mesmos. Sou a favor dos pobres, da classe trabalhadora. Este é o meu lado, é de onde sou.

Seguimos.

William

4 comentários:

Flávio Lúcio Pereira disse...

Olá William, Esse ano eu e minha esposa fizemos o trajeto juntos pela primeira vez. Achei seu blog há algumas semanas atrás e seus relatos nos deram muita motivação. Estava esperando o relato desse ano ansioso! :)
Que bom que deu tudo certo na sua caminhada. Saímos do bairro Alvorada as 3 da manhã de sábado. O Trajeto até a Antena foi tranquilo.. Chegamos lá as 15:30. Com o sol escaldante decidimos esperar um pouco e saímos as 16:50 até o Posto Santa Fé. Chegamos as 20:00.. foi dificílimo chegar no Posto. Chegando lá dormimos até as 4 da manhã pois não conseguiríamos de forma alguma continuar.. Estávamos muito mal A inexperiência de primeiro ano de caminhada pesou muito. Depois do descanso foi tudo tranquilo.. chegamos ao atalho as 6 e na cidade das 8 da manhã do Domingo.
Por incrível que pareça não tivemos bolhas... apenas dores musculares mesmo..
Obrigado pelos relatos e dicas.. nos ajudaram muito!

William Mendes disse...

Olá Flávio, espero que você e esposa estejam bem.

Amigo, seu relato me emocionou. Veja a cena e o contexto:

Eu estava na casa de meus pais neste fim de semana em Uberlândia e não consegui escrever. Preferi curtir os pais. Fiz a postagem no domingo à noite, quase na hora de ir para a rodoviária pegar o ônibus para Brasília. Acabei publicando sem sequer fazer aquela última revisada de português e sintaxe. Quando chego agora pela manhã e vou reler a postagem para dar o acabamento, encontro seu comentário. Chamei minha esposa e li junto com ela. Fiquei emocionado, tanto com a caminhada de vocês, quanto pela informação que você me deu de que meu blog de alguma forma ajudou alguém.

Um grande e fraterno abraço a você e sua esposa e tudo de bom. Sem dúvida, nós todos voltamos diferentes da nossa Romaria.

William Mendes

William Mendes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mayara Delfino disse...

Que fotos lindas! =)

Parabéns pela caminhada..

Abraços.