terça-feira, 26 de julho de 2016

Death Note - Anime (II)



Um jovem estudante "nota A" com
um caderno da morte na mão...

Já é madrugada de terça-feira, 26 de julho. 

Nesta segunda, trabalhei das 9 às 19h na Cassi DF. Mesmo tendo lido a pauta da reunião de Diretoria Executiva na sexta passada, trabalhamos muito hoje e fiquei o dia todo enfiado numa sala na sede da Cassi. (enquanto isso, o mundo lá fora seguia com barbáries humanas)

Chegando já de noite em casa, saí para correr 5k num trote bem leve em nossa paisagem ressequida de julho.

Depois do banho, para relaxar, assisti a mais 3 episódios do anime Death Note (2006/07).

Episódio 4 - Perseguição

Episódio 5 - Diplomacia

Episódio 6 - Desligamento

(nomes dos episódios acrescidos em post scriptum)



A ficção onde um jovem japonês encontra um caderno da morte, caído de um deus da morte (shinigami), ao mesmo tempo nos põe a refletir e nos revolta. Como é comum acontecer de algum tipo de poder alterar comportamentos ou revelar pessoas rapidamente!

Logo no início dos assassinatos de criminosos na estória do anime, o jovem estudante "nota A" - Raito -, já havia em pensamento lamentado que se seus pais descobrissem que ele era o Kira (killer), ele teria que eliminar os próprios pais.

Não deu outra, dos ideais iniciais "altruístas" de eliminar os criminosos do mundo para ajudar a sociedade, rapidamente Kira passou a matar pessoas inocentes, desafetos e quem poderia colocar em risco seus planos de se tornar o deus do mundo.

A frieza do jovem em não titubear para matar inocentes nos assusta, nos traz para a realidade de nosso mundo, que está passando por alguma espécie de demência coletiva em favor de tudo que há de mais bárbaro e non sense, fascismos e neonazismos. 


E o mundo real?

O ódio e a intolerância tomaram conta de nossa aldeia global. No brazil tomado por um Golpe de Estado, a Caixa de Pandora foi aberta pelos donos dos meios de comunicação monopolizados (P.I.G.) e por empresários, banqueiros, coronéis e partidos de direita, liderados pelo PSDB.

Nesta segunda, uma pessoa teve a coragem de matar a facadas entre 15 e 19 Pessoas Com Deficiência (PCD) no Japão. Onde vai parar a barbaridade humana nesta onda de demência mundial? Tem pessoas cometendo atentados em diversos países do primeiro mundo, do segundo, do terceiro, dos quintos dos infernos criados pelos imperialistas e capitalistas americanos e europeus.

Enquanto corria, refletia sobre a matança de PCD no Japão. É muita maldade! Fiquei pensando que cada um de nós, militantes sociais e defensores de um mundo mais justo e solidário, devemos revolucionar pela paz e pela unidade, fazendo um esforço extra de não cair na onda do ódio, mesmo quando nos humilham e nos atacam de graça, quando nos assediam ou permitem nos assediar, mesmo sabendo que o nosso trabalho é todo voltado para o bem coletivo.

É isso que pensei neste final de noite de segunda e início de madrugada de terça. Fui dormir...

William

Nenhum comentário: