segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Refeição Cultural - O Tempo e a vida



Meu filho cresceu. Pesa mais que eu...
e eu que fazia aviãozinho com ele nos shoppings...

O Tempo e a Vida

Refeição Cultural


A rapidez das coisas do mundo atual marca o compasso da nossa vida. Nós não vivemos simplesmente, não estamos (not let it be). Temos que estar fazendo algo ou indo pra algum lugar senão... estamos fora! Ah, temos também que possuir bens ou ter metas de...

Por outro lado, como somos pescados pelo sistema hegemônico do consumismo e modismo através dos meios de comunicação com as mensagens ideológicas do status quo, esta velocidade com que têm que ser as coisas traz o risco de que somente passemos pela vida... ao invés de vivermos a vida sentindo cada instante e cada evento que ela nos proporciona.


MEU FILHO CRESCEU

Passei a última década numa rotina de trabalho que me fez ser mais ausente em casa do que deveria. Meu filho passou de seus cinco ou seis anos a um adolescente.

Aquele sonho que acalentei dele crescer logo pra nós dois termos altos papos e fazermos esporte juntos, leituras e coisas do gênero (é incrível como os pais pensam isso!) foi pro beleléu. Sabemos que, na verdade, eles, filhos, têm a vida deles e nós a nossa. É o curso natural da vida.

A relação entre pai e filho foi a mais comum possível no mundo moderno. Eu fui cuidando da minha vida de trabalho e ele foi levando a dele de criança virando adolescente.

Neste fim de semana corremos juntos uma prova no clube onde somos associados, a AABB SP. Foi um dia especial e muito legal. Vivemos um dia de pai e filho parecido com aquele desejo que acalentei no ontem.

A primeira coisa que fiquei pensando de nossa conversa matutina, indo de madrugadinha no trem para o outro lado da cidade, foi quando ele me disse seu peso. Caramba! O moleque pesa mais que eu, calça tênis maior que o meu, é mais alto que eu. 

Às vezes, a gente ainda tem a sensação de que nosso filho é aquele que a gente fazia aviãozinho com ele no shopping, carregando ele nos braços. 

- Que velocidade no tempo psicológico de nossa vida!


O CORPO HOJE É O REFLEXO DE NOSSA ATENÇÃO A ELE NO ONTEM

Outra coisa que é notável é a passagem do tempo sobre nós mesmos. Eu pratiquei esporte desde muito jovem. Também tive que levar meu corpo a adaptações diversas durante a vida de proletário. Trabalhos braçais, trabalhos intelectuais, diurnos, noturnos... desde uns doze anos de idade.

Sempre acreditei piamente que nossa condição de saúde no hoje é reflexo do nosso ontem, num acúmulo de coisas boas e porcarias feitas e ingeridas desde que nascemos, incluindo os acidentes de percurso. É um pouco aquela frase que jovem adora: viva hoje o que sobrou de ontem.

Sempre dei atenção ao meu corpo para ter boa resistência física. Isso dá trabalho porque exige disciplina e tenacidade com exercícios para o corpo e horas de dedicação semanal como rotina de vida.

Aquela rotina de trabalho que descrevi acima nos últimos anos, que me fez quase não ver o peso do meu filho sair de uns trinta quilos para pesar mais que eu, fez também com que eu não desse mais a atenção correta para manutenção de boa condição física ao corpo que me carrega.

Ou seja, deixei o tempo atuar sobre mim na fase que mais necessitava manter o corpo em condições para a segunda metade da vida (após os trinta e poucos anos). Recuperar tônus muscular após quarenta anos é muito difícil porque o metabolismo de nossos corpos muda muito. A natureza exerce suas prioridades nos corpos animais de forma indelével, a menos que haja estímulos criando resistências e aptidões novas. 

- E não me recomendem porcarias sintéticas, pois sou meio "naturista"! (não naturalista com aquelas regras todas contra isso e aquilo)


SÃO SILVESTRE E CORRIDAS

Vou correr a São Silvestre no último dia do ano. Neste momento, não estou preparado. Tenho que adaptar meu corpo pra isso. É possível, mas tenho que definir prioridades. Sou proletário e minha função atual tem agenda pesada até a véspera do natal. Que fazer?

Tenho agendas de viagens que me tiram semanas inteiras de treinamento e descanso. Estou aqui pensando em como conciliar o ser humano que sou, com meus sonhos e subjetivismos, com a minha condição de ser social pescado pelo sistema da velocidade e compromisso total com nossos trabalhos contemporâneos, para estarmos o tempo todo on...

E olha que ainda sonho em preparar meu corpo para correr uma maratona de 42 km. E já estou com 44 anos... E hoje estou com dificuldades de correr uns dez quilômetros e vou correr uma prova de quinze daqui a seis semanas.


Termino minha reflexão cultural sobre o Tempo em nossas vidas. 

Me dei o direito nesta manhã de segunda de fazer isso antes de trabalhar na parte da tarde.


Nenhum comentário: