segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Classe média? Isso não existe no Capitalismo.


Operários, Tarsila do Amaral. (1933).

Não existe classe média. Isso é um conceito vazio no sistema de exploração capitalista.

Um bancário, um metalúrgico, um professor, um funcionário público concursado, enfim, trabalhadores com uma renda um pouco acima do salário mínimo do país (quando há) costumam ser chamados de classe média. Classe média uma ova!

Tira o emprego desse metalúrgico, desse bancário, desse professor, desse funcionário público, que assim que acabarem suas economias, se as tiverem, eles serão números no exército de reserva do capitalismo para venderem sua mão de obra a quase nada, para pagarem as contas da casa, para comerem.

No capitalismo existem duas classes: a dos capitalistas exploradores, que compram a mão de obra, e a dos trabalhadores, que vendem a mão de obra, suas horas de trabalho, seus corpos, suas energias vitais.

Os governos do PT, nos mandatos presidenciais conquistados neste início de século XXI, aumentaram a distribuição de rendas e os empregos. A consequência foi mais trabalhadores com renda e uma economia interna mais ativa. 

O índice de desemprego herdado por Lula em 2002 era cerca de 12%. Com o PT os índices chegaram quase ao pleno emprego e hoje beiram os 7%. Com a crise mundial e a crise construída pela oposição aos governos do PT e ao Brasil, a nominada "classe média" pode voltar a ser as dezenas de miseráveis da classe trabalhadora sem emprego, sem renda e sem o que manter a si mesmos, que tivemos e vivemos no Brasil até 2002.

Essa é a minha opinião.

William Mendes
Bancário, classe trabalhadora

Nenhum comentário: