quinta-feira, 19 de abril de 2018

Diário e reflexões - 190418




Quinta-feira, fim de noite. Estou em Osasco (SP) a trabalho.

Nesta sexta-feira pela manhã participarei de mais uma apresentação para os associados da Cassi sobre o Relatório Anual 2017. A Cassi é a entidade de saúde dos funcionários do Banco do Brasil, gerida até o momento de forma paritária entre patrão e trabalhadores. A Diretoria Executiva está fazendo uma série de apresentações em seis capitais com o intuito de dar mais conhecimento aos participantes sobre a realidade da autogestão.

Começamos as apresentações em Brasília (DF) nos dias 17 e 18 e hoje estivemos com os associados em Belo Horizonte (MG). Após o contato com os participantes paulistas nesta sexta 20, iremos na próxima semana a Salvador (23), Curitiba (25) e Rio de Janeiro (26). Vim no voo lendo a história de Nelson Mandela e do povo negro sul-africano na "Longa Caminhada até a Liberdade", história contada por ele mesmo (um livro-tijolo, pelo tamanho). Por mais cansaço e sono que eu esteja sentindo, preciso muito ler nestes tempos histórias que nos inspirem a suportar a injustiça e persistir nas lutas, como a do próprio Lula, que já nos contém.

Estou terminando meu mandato eletivo na Caixa de Assistência no próximo mês. Foi o período mais intenso de minha vida de lutas e representações da classe trabalhadora. Foram 4 anos em que aproveitamos toda a nossa experiência na organização de lutas e negociações entre capital versus trabalho para não deixar as teses contrárias aos direitos dos associados prevalecerem na autogestão em saúde, 4 anos mantendo todos os direitos dos associados no cenário de crise mais dramático da história da entidade e do setor de saúde. 

Somando todos os mandatos eletivos, foram 16 anos exercendo o papel de representante dos trabalhadores. A hora é de finalizar uma longa etapa de vida pessoal e coletiva e pensar o amanhã. O amanhã neste mundo cão que se apresenta a nós povo e classe trabalhadora.

A transição para a mudança radical de vida em algumas semanas poderia ser mais simples do que está sendo. O "poderia" é uma espécie de utopia porque a vida de um representante das lutas da classe trabalhadora nunca foi simples, nem será. Um militante social coloca toda a sua vida pessoal em função das lutas coletivas, e o retorno à condição anterior depois de tantos anos não é nada simples. Fica mais complexo ainda, quando o contexto se passa no Estado de Exceção em que se encontra o Brasil, o nosso país e o nosso mundo da classe trabalhadora.

Nessas semanas que correm foi preciso buscar toda a frieza e serenidade que aprendi em quase 20 anos de enfrentamento das injustiças a que estão expostos os cidadãos e povo trabalhador ao qual eu mesmo pertenço para lidar com uma questão ignóbil, inominável, absurda, que visa prejudicar uma pessoa honesta, ética e que dedicou a vida para as lutas por um mundo mais justo e solidário, principalmente para a categoria profissional a qual pertence.

Mas se o contexto histórico por que passa o Brasil é o da inversão de valores, é o das violências várias, porque toda injustiça e iniquidade é uma violência contra a sociedade humana; se é o contexto que não tem pudor em prender sem crime a maior liderança do povo brasileiro, o homem que mais olhou para o povo na condição de Presidente na história do país, enfim, se a condição em que estamos é essa nesses tempos sombrios, qual não seria o efeito dessa ignomínia com os representantes dos trabalhadores em todos os espaços humanos, sociais e institucionais de nosso mundo Brasil?

Há que se ter força e serenidade para enfrentar as coisas indignas que estão fazendo contra o povo e suas lideranças. Minhas referências de vida são as maiores lideranças progressistas que os humanos já tiveram. Isso nos fortalece! Eu, do meu tamanho comum, olho os grandes para tê-los como exemplo de que sofreram muito mais do que gente como nós, e vemos que devemos todos resistir. Eles passarão, eu passarinho...

William

domingo, 8 de abril de 2018

Longa caminhada até a liberdade, do povo sul-africano e dos brasileiros



Líderes e biografias que nos inspiram a lutar
pela liberdade do povo.

Refeição Cultural

     "Quando recebi meu banimento, a conferência do Transvaal do CNA seria realizada no mês seguinte, e eu já havia terminado o rascunho do meu discurso presidencial. Ele foi lido para os participantes da conferência por Andrew Kunene, membro da executiva. Nesse discurso, que subsequentemente tornou-se conhecido como "A Caminhada Difícil para a Liberdade", uma frase, retirada de Jawaharlal Nehru, dizia que as massas tinham que ficar preparadas para novas formas de luta política. As novas leis e táticas do governo tornaram as antigas formas de protesto de massas - reuniões públicas, declarações à imprensa, ficar em casa - extremamente perigosas e autodestrutivas (...) 'Esses desdobramentos', escrevi, 'exigem o desenvolvimento de uma nova forma de luta política. Os velhos métodos', eu disse, eram agora 'suicidas'.
     'O povo oprimido e os opressores estão em desavença. O dia do ajuste de contas entre as forças da liberdade e as reacionárias não está muito distante. Não tenho a menor dúvida de que quando esse dia chegar a verdade e a justiça prevalecerão... Os sentimentos do povo oprimido nunca foram tão amargos. A situação extremamente difícil do povo o obriga a resistir até a morte contra as políticas nojentas dos gângsteres que dominam o nosso país. A derrubada da opressão tem sido aprovada pela humanidade e é a aspiração mais alta de todos os homens livres" (pág. 201, Longa Caminhada até a Liberdade", Nelson Mandela)


Não estou com muito ânimo para escrever em face dos últimos acontecimentos. No entanto, ter um blog me fez ter uma disciplina intelectual importante na última década. Há que se escrever, que refletir, que estudar, que compartilhar sentimentos e opiniões, porque estamos aqui.

Tenho lido lentamente a história de Nelson Mandela e da luta pela libertação de seu povo na África do Sul do regime racial da minoria branca - o Apartheid. Comecei a ler o livro no início de meu mandato na Cassi, quando ganhei ele de presente de minha companheira, e depois parei a leitura pelo excesso de trabalho. Agora retomei a leitura e ao mesmo tempo que avanço na história cronológica do livro, fico voltando ao início da vida de Mandela, do seu povo e do regime racial por parte dos africânderes.

Durante os últimos anos, registrei neste blog minhas impressões e comentários a respeito da ascensão do ódio e do fascismo no Brasil, processo desenvolvido como estratégia por parte de um segmento da sociedade, o segmento da minoria que domina este país há séculos, uma elite canalha e lesa-pátria que tem ódio do povo e das coisas do Brasil, da brasilidade, de tudo que represente o nacional e a pátria brasileira. Um pequeno segmento que se referencia nos colonizadores e imperialistas estrangeiros. Um segmento que nunca amou o país e seu povo.

Essa minoria oriunda do processo histórico brasileiro, minoria oriunda das casas-grandes, é a responsável por mais um golpe contra o povo brasileiro, um golpe contra a frágil democracia que teve instantes de vida ao longo de mais de um século de regime dito republicano. Essa minoria domina toda a estrutura de poder em nosso país, quando não com seus próprios membros e descendentes, com lacaios que se locupletam das benesses recebidas para ajudar a controlar a exploração e a manipulação do povo brasileiro, a imensa maioria de gente sem posses ou com pequenas posses.

Em dois anos de Golpe de Estado no Brasil, golpe organizado por uma casta privilegiada que inclui membros dos três poderes do Estado e donos de corporações, foram solapados direitos sociais, o patrimônio público e as principais fontes de emprego formal no país. Os empresários golpistas dos meios de comunicação envenenaram o povo brasileiro com o ódio e a intolerância, bases para qualquer regime fascista e totalitário.

Um sistema totalitário e cínico de comunicação empresarial passou a mandar no país. Define quem deve ser livre, quem deve ser preso; quem é bom, quem é ruim; quem é do bem, quem é do mal; qual política deve ser implantada, qual deve ser rejeitada. Vivemos uma ditadura de poucos donos de tudo (o 1%). A qualquer momento, qualquer pessoa e qualquer instituição pode ser a nova escolhida para a execração pública e moral de sua reputação e de sua vida e história. Basta não concordar com os donos do poder ou estar do lado com menos poder de impor a notícia ou as mentiras vendidas como verdade (fake news).

Ao ler a história do povo sul-africano e de Nelson Mandela, na longa caminhada até a liberdade e por um país que fosse para todos - os 3,5 milhões de africânderes e os 7,5 milhões de negros, indianos e mestiços -, ao refletir sobre a história do povo brasileiro e de seus bons momentos (poucos) e maus momentos por séculos, vejo que algo terá que acontecer para alterar esses tempos sombrios que entramos após o golpe de 2016. O Brasil e o povo brasileiro não resistirão por muito tempo se algo não for feito. O país pode não se recuperar jamais, a exemplo do que ocorreu com o México, que praticamente se tornou um país inexpressivo, após sua destruição por parte dos Estados Unidos.

Eu completei quase meio século de existência vivendo a infância na ditadura civil-militar, a adolescência no período neoliberal de destruição de nosso país, uma parte adulta vendo a esperança brilhar para o povo e avanços históricos acontecerem durante três mandatos presidenciais do Partido dos Trabalhadores e cheguei aos 49 anos nesta semana vendo a prisão política de um homem inocente condenado sem crimes, sem provas, para que ele não seja candidato à presidência da república do Brasil, Lula da Silva.

A leitura da história de Mandela e de seu povo, contada por ele mesmo, pode servir de referência para o nosso povo. No que ela tem de bom e de ruim. Não acho razoável que Lula siga preso como aconteceu com Mandela. Termino deixando mais uma reflexão de Nelson Mandela, nos anos 50, quando os nacionalistas africânderes recrudesceram a violência e as injustiças contra a maioria do povo africano.


É O OPRESSOR QUE DEFINE A NATUREZA DA LUTA

"A lição que aprendi com a campanha (contra a remoção do povo negro de Sophiatown em 1955) foi que no final nós não tínhamos alternativa alguma senão resistência armada e violenta. Repetidamente, havíamos utilizado todas as armas de não violência em nosso arsenal - discursos, delegações, ameaças, marchas, greves, ficar em casa, prisões voluntárias - tudo em vão, pois tudo o que fazíamos era respondido com mão de ferro. Um guerreiro pela liberdade aprende da maneira mais difícil que é o opressor quem define a natureza da luta, e ao oprimido frequentemente não se deixa recurso algum senão utilizar métodos que espelham aqueles do opressor. Em certo momento, só é possível lutar contra o fogo usando fogo" (pág 206. Longa Caminhada até a Liberdade, Nelson Mandela)



domingo, 1 de abril de 2018

Simplicidade - Diário e reflexões - 010418



A simplicidade da natureza de Brasília
foi algo marcante e ficará em minha memória.

"Llaneza

                          A Haydée Lange

Se abre la verja del jardín
con la docilidad de la página
que una frequente devoción interroga
y adentro las miradas
no precisan fijarse en los objetos
que ya están cabalmente en la memoria.
Conozco las costumbres e las almas
y ese dialecto de alusiones
que toda agrupación humana va urdiendo.
No necesito hablar
ni mentir privilegios;
bien me conocen quienes aquí me rodean,
bien saben mis congojas y mi flaqueza.
Eso es alcanzar lo más alto,
lo que tal vez nos dará el Cielo:
no admiraciones ni victorias
sino sencillamente ser admitidos
como parte de una Realidad inegable,
como las piedras e los árboles."

(Jorge Luis Borges, Antología poética 1923-1977)


Refeição Cultural

Domingo, 1º de abril de 2018, Brasília (DF).

Começo a me despedir do Planalto Central, do cerrado, onde passei meus últimos quatro anos. Daqui algumas semanas volto para minha terra, o Mundo de Ozzz, Osasco (SP).

A natureza única em Brasília foi algo que me encantou profundamente nesses quatro anos que passei aqui a trabalho, como diretor de saúde na Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil.

Brasília com suas estações do ano bem marcadas, as chuvas, a seca prolongada, as flores de cada época, os pássaros apaixonantes como as curicacas e o canto do urutau que aprendemos a amar. O céu mais azul do mundo! O pôr do sol de paralisar.

"Se abre la verja del jardín
con la docilidad de la página
que una frequente devoción interroga
y adentro las miradas
no precisan fijarse en los objetos
que ya están cabalmente en la memoria..."

O abrir a janela de onde morei era como ver um jardim, e acho que a beleza e a simplicidade da natureza e o canto dos pássaros, junto às luzes dos entardeceres, ficarão para sempre em minha memória.

Vim a Brasília realizar a tarefa mais desafiadora de minha vida de lutas e de representação dos trabalhadores. Por mais que soubesse do trabalho que realizamos na defesa dos associados da Cassi e no fortalecimento da própria Caixa de Assistência e seu modelo revolucionário de saúde preventiva, havia externado para as pessoas mais próximas, meses atrás, o quanto seria difícil obter condições ideais de disputa para seguir com o trabalho que vinha sendo realizado (eu conheço muito os espaços de disputa de poder...).

"Conozco las costumbres e las almas
y ese dialecto de alusiones
que toda agrupación humana va urdiendo..."

Já vislumbrava a dificuldade em se obter a unidade necessária no campo progressista e de representação dos segmentos dos trabalhadores associados. Já estou nesse meio há vinte anos e sei que nas horas centrais, o que prevalece é a divisão, é o foco no poder, mais que o foco no projeto coletivo. É só ver no quadro político do Brasil na maior crise de sua história como estão se comportando as forças progressistas em relação às eleições majoritárias. Teremos quantas candidaturas do campo popular? Três ou quatro? Não adianta a história ensinar... ninguém olha ou considera a história da luta de classes!

Nos próximos dois meses, período final de registro do mandato e de prestação de contas que realizamos no blog Categoria Bancária, vou registrar tudo que for possível sobre a Cassi e as áreas que atuamos. E vou registrar minhas opiniões, afinal de contas fiz isso desde o primeiro dia e assim vou até 31 de maio de 2018. Não teria porque esconder minha avaliação sobre o resultado das eleições e o que vislumbro pela frente em relação à entidade que aprendi a amar durante o mandato.

"No necesito hablar
ni mentir privilegios;
bien me conocen quienes aquí me rodean,
bien saben mis congojas y mi flaqueza."

Eu tenho que ir me desligando da luta em defesa da Cassi e dos associados. Conheço profundamente a realidade que enfrentamos, o que evitamos e o que se desenha adiante com a mudança de rota.

Eso es alcanzar lo más alto,
lo que tal vez nos dará el Cielo:
no admiraciones ni victorias
sino sencillamente ser admitidos
como parte de una Realidad inegable,
como las piedras e los árboles."

Muitos de nós que vivemos juntos a realidade inegável do setor de saúde suplementar e da Caixa de Assistência nos últimos anos, que protegemos a entidade e associados revertendo quadros adversos, não soubemos nos unir em prol de algo coletivo maior. A responsabilidade do que vier de futuro talvez sirva de reflexão às gerações seguintes das lideranças do movimento social organizado porque a história humana tem diversos exemplos de consequências advindas da falta de unidade em momentos decisivos.

Sabemos que sem os princípios basilares e os paradigmas de consenso - manter a solidariedade no sistema de custeio, fortalecer as unidades de atendimento em saúde nos Estados, a atenção primária e medicina de família e a participação social - a Caixa de Assistência não será uma Cassi para todos, como deve ser.

Ainda farei dois meses de registros no blog Categoria Bancária. Registros com simplicidade e honestidade nas opiniões e dados que vamos apontar sobre esses quatro anos de história da nossa querida Caixa de Assistência. Segue firme o meu compromisso de deixar disponível o material que produzimos sobre a Cassi e o mandato para entidades sindicais, associativas e Conselhos de Usuários.

Abraços,

William

sábado, 31 de março de 2018

Jesus não morreu pelos "nossos pecados" e sim por enfrentar o sistema


Comentário do Blog

Olá prezad@s leitores e amig@s.

Apresento abaixo um artigo que li e me identifiquei bastante com ele. Nesta Sexta-Feira Santa, 30/3/18, assisti ao filme A Paixão de Cristo (2004), com direção de Mel Gibson, e relembrei a sensação horrível da violência praticada contra o judeu Jesus Cristo, Na época, saí do cinema chocado (ler artigo AQUI).

Estou em um momento de "passagem" em minha vida. Vou começar outra vida após quatro anos vivendo em Brasília (DF), após viver cada segundo de minha existência me dedicando à defesa dos direitos dos associados da Caixa de Assistência (Cassi) e ao seu modelo assistencial. Isso também me deixa mais sensível ao tema "Páscoa", "Pessach" dos judeus. Terei meus ritos de passagem de uma vida para outra.

Em meus quase 49 anos de idade, será a primeira vez em quase duas décadas que não serei um representante da classe trabalhadora eleito em algum mandato. Foram 16 anos como dirigente eleito; antes disso, havia sido eleito para o 1º Conselho de Usuários da Cassi SP. A vida será bem diferente daqui adiante. Como disse, viverei minha passagem de um tipo de vida para outro.

Não me alongo. Sugiro a leitura do texto abaixo porque ele nos põe a refletir.

William

---------------------------------------------------


(reprodução de matéria da Rede Brasil Atual)


O verdadeiro inimigo de Deus não é o pecado,
mas o interesse, a conveniência e a cobiça.
Obra: Prisão de Cristo, 1621, de Guercino.


Jesus não morreu pelos “nossos pecados” e sim por enfrentar o sistema

Os Evangelhos são claríssimos: Jesus morreu porque confrontou o Templo, um sistema de dominação e exploração dos pobres de Israel



Por: Alberto Maggi 
Tradução: Francisco Cornélio
Publicado: 31/03/2018, 10h11


Caminho pra Casa, Outras Palavras - Jesus Cristo morreu pelos nossos pecados. Essa é a resposta que normalmente se dá para aqueles que perguntam por que o Filho de Deus terminou seus dias na forma mais infame para um judeu, o patíbulo da cruz, a morte dos amaldiçoados por Deus (Gl 3,13).

Jesus morreu pelos nossos pecados. Não só pelos nossos, mas também por aqueles homens e mulheres que viveram antes dele e, portanto, não o conheceram e, enfim, por toda a humanidade vindoura. Sendo assim, é inevitável que olhando para o crucifixo, com aquele corpo que foi torturado, ferido, riscado de correntes e coágulos de sangue expostos, aqueles pregos que perfuram a carne, aqueles espinhos presos na cabeça de Jesus, qualquer um se sinta culpado … o Filho de Deus acabou no patíbulo pelos nossos pecados! Corre-se o risco de sentimentos de culpa infiltrarem-se como um tóxico nas profundezas da psiquê humana, tornando-se irreversíveis, a ponto de condicionar permanentemente a existência do indivíduo, como bem sabem psicólogos e psiquiatras, que não param de atender pessoas religiosas devastadas por medos e distúrbios.

No entanto, basta ler os Evangelhos para ver que as coisas são diferentes. Jesus foi assassinado pelos interesses da casta sacerdotal no poder, aterrorizada pelo medo de perder o domínio sobre o povo e, sobretudo, de ver desaparecer a riqueza acumulada às custas da fé das pessoas.

A morte de Jesus não se deve apenas a um problema teológico, mas econômico. O Cristo não era um perigo para a teologia (no judaísmo havia muitas correntes espirituais que competiam entre si, mas que eram toleradas pelas autoridades), mas para a economia. O crime pelo qual Jesus foi eliminado foi ter apresentado um Deus completamente diferente daquele imposto pelos líderes religiosos, um Pai que nunca pede a seus filhos, mas que sempre dá.

A próspera economia do templo de Jerusalém, que o tornava o banco mais forte em todo o Oriente Médio, era sustentada pelos impostos, ofertas e, acima de tudo, pelos rituais para obter, mediante pagamento, o perdão de Deus. Era todo um comércio de animais, de peles, de ofertas em dinheiro, frutos, grãos, tudo para a “honra de Deus” e os bolsos dos sacerdotes, nunca saturados: “cães vorazes: desconhecem a saciedade; são pastores sem entendimento; todos seguem seu próprio caminho, cada um procura vantagem própria” (Is 56, 11).

Quando os escribas, a mais alta autoridade teológica no país, considerando o ensinamento infalível da Lei, veem Jesus perdoar os pecados a um paralítico, imediatamente sentenciam: “Este homem está blasfemando!” (Mt 9,3). E os blasfemos devem ser mortos imediatamente (Lv 24,11-14). A indignação dos escribas pode parecer uma defesa da ortodoxia, mas na verdade, visa salvaguardar a economia. Para receber o perdão dos pecados, de fato, o pecador tinha que ir ao templo e oferecer aquilo que o tarifário das culpas prescrevia, de acordo com a categoria do pecado, listando detalhadamente quantas cabras, galinhas, pombos ou outras coisas se deveria oferecer em reparação pela ofensa ao Senhor. E Jesus, pelo contrário, perdoa gratuitamente, sem convidar o perdoado a subir ao templo para levar a sua oferta.

Perdoai e sereis perdoados” (Lc 6,37) é, de fato, o chocante anúncio de Jesus: apenas duas palavras que, no entanto, ameaçaram desestabilizar toda a economia de Jerusalém. Para obter o perdão de Deus, não havia mais necessidade de ir ao templo levando ofertas, nem de submeter-se a ritos de purificação, nada disso. Não, bastava perdoar para ser imediatamente perdoado…

O alarme cresceu, os sumos sacerdotes e escribas, os fariseus e saduceus ficaram todos inquietos, sentiram o chão afundar sob seus pés, até que, em uma reunião dramática do Sinédrio, o mais alto órgão jurídico do país, o sumo sacerdote Caifás tomou a decisão. “Jesus deve ser morto”, e não apenas ele, mas também todos os discípulos porque não era perigoso apenas o Nazareno, mas a sua doutrina, e enquanto houvesse apenas um seguidor capaz de propagá-la, as autoridades não dormiriam tranquilas (“Se deixarmos ele continuar, todos acreditarão nele …“, Jo 11,48). Para convencer o Sinédrio da urgência de eliminar Jesus, Caifás não se referiu a temas teológicos, espirituais; não, o sumo sacerdote conhecia bem os seus, então brutalmente pôs em jogo o que mais estava em seu coração, o interesse: “Não compreendeis que é de vosso interesse que um só homem morra pelo povo e não pereça a nação toda?” (Jo 11,50).

Jesus não morreu pelos nossos pecados, e muito menos por ser essa a vontade de Deus, mas pela ganância da instituição religiosa, capaz de eliminar qualquer um que interfira em seus interesses, até mesmo o Filho de Deus: “Este é o herdeiro: vamos! Matemo-lo e apoderemo-nos da sua herança” (Mt 21,38). O verdadeiro inimigo de Deus não é o pecado, que o Senhor em sua misericórdia sempre consegue apagar, mas o interesse, a conveniência e a cobiça que tornam os homens completamente refratários à ação divina.

_____________________________

Alberto Maggi, biblista italiano, frade da Ordem dos Servos de Maria, estudou nas Pontifícias Faculdades Teológicas Marianum e Gregoriana de Roma e na Escola Bíblica e Arqueológica Francesa de Jerusalém. É autor de diversos livros, como A loucura de Deus: o Cristo de João, Nossa Senhora dos heréticos

Francisco Cornélio, sacerdote e biblista brasileiro, é professor no curso de Teologia da Faculdade Diocesana de Mossoró (RN). Fez seu bacharelado no Ateneo Pontificio Regina Apostolorum, em Roma. Atualmente, está em Roma novamente, para o doutorado no Angelicum (Pontifícia Universidade Santo Tomás de Aquino), onde fez seu mestrado

Fonte: Rede Brasil Atual

domingo, 25 de março de 2018

250318 - Diário e reflexões - O que o futuro me reserva?



Refeição Cultural

Domingo ensolarado em Brasília. Estou sozinho há semanas, longe da família. Estou aqui pensando na vida. Já li mais um pouco da história de Nelson Mandela, autobiografia de um grande líder do povo sul-africano. Ouvindo Pink Floyd, Metallica e outras bandas que gosto.

Estive envolvido nas últimas semanas na campanha das eleições da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil, a Cassi, a maior autogestão em saúde do país. Coloquei meu nome à disposição para o processo democrático, juntamente com outras lideranças que compõem a nossa Chapa 1 Em Defesa da Cassi. As votações vão até quarta-feira, dia 28 de março, e o resultado sai após as 18 horas desse dia.

Estou terminando um mandato de quatro anos à frente da Diretoria de Saúde da entidade, e minha vida mudou completamente nesse período. Nunca me dediquei de forma tão intensa e integral ao longo de anos por uma causa como esta de defender os direitos em saúde dos associad@s e o modelo assistencial de Atenção Primária e Medicina de Família. 

Não que eu não me dedicasse com a mesma intensidade quando fui dirigente sindical eleito pelos trabalhadores, mas é que para ser o melhor representante que eu pudesse ser, sabia que teria que estudar e mergulhar nas questões técnicas da área, além de manter o punho firme que sempre tive para enfrentar patrões e capitalistas e seus representantes. A intensidade do esforço ao longo do mandato foi semelhante a tocar uma greve de 30 dias ininterruptamente por quatro anos. Minha luta foi de manhã, tarde, noite, madrugadas e finais de semana. Não poderia ser de outra forma.

O período foi de tantas mudanças que quando começamos o mandato o Brasíl não havia sofrido o golpe de Estado, as condições econômicas, políticas e sociais do país eram outras. O setor de saúde suplementar tinha mais de 52 milhões de usuários de planos de saúde. Hoje tem pouco mais de 47 milhões. Grandes do setor faliram, como a Unimed Paulistana, ou estão mal das pernas. As despesas com a compra de serviços de saúde no mercado quase cartelizado crescem cerca de 15% ao ano. As receitas dos planos de saúde não acompanham nem de perto essa conta de despesa operacional. Os patrões tentam repassar os custos somente aos trabalhadores beneficiários dos planos, tentam se ver livres dos aposentados (aqueles planos que ainda incluem aposentados), se aproveitam do desconhecimento técnico da área para estimular lugares comuns e informações equivocadas sobre a eficiência das entidades de saúde de autogestão.

No entanto, os associad@s da Cassi não perderam nenhum direito histórico em saúde. A Cassi não fez reduções de sua estrutura própria de atenção à saúde, o que seria um erro fatal, porque provamos que a estrutura própria de Atenção Primária e Medicina de Família faz mais com menos. Todo o mercado está tentando fazer o que a Cassi faz. A solução para usar melhor os recursos arrecadados pelo sistema de saúde Cassi é investir mais em promoção e prevenção, programas de saúde e monitoramento de populações assistidas ao longo do tempo. Desfizemos interpretações equivocadas e lugares comuns faladas sobre a Caixa de Assistência por total desconhecimento da área. Incomodamos bastante o outro lado da representação, a patronal.

Bom, minhas reflexões não são sobre o que fizemos pela Cassi e pelos associad@s. Estou aqui pensando no momento seguinte após o resultado das eleições. Estarei à frente da Diretoria de Saúde da Cassi no período mais desafiador de sua história ou não estarei.

Fico pensando em minha família, fico pensando em minha visão de mundo social mais justo e solidário, voltado para o povo brasileiro e não para uma pequena parcela de privilegiados (o 1% dono de tudo). Fico pensando em como aguentar tanta iniquidade, tanta injustiça contra o povo. A Cassi foi minha cachaça nestes últimos 4 anos. Não fiz outra coisa que lutar para defender a entidade e seus associados.

Amanhã cedo estarei junto aos associad@s nas bases fortalecendo a democracia na Cassi e estimulando tod@s a votarem porque a participação massiva vai fortalecer as negociações sobre o futuro da entidade e dos direitos dos trabalhadores associados.

Quinta-feira 29 verei minha família. Depois vem o feriado (ufa!). Depois vem a segunda-feira 2 de abril. E depois vêm os meses seguintes. Meu futuro será de lutas, isso eu sei, afinal de contas eu pertenço à classe trabalhadora. O que não faltam são frentes de lutas, a da Cassi que estamos preparados, e as diversas frentes de lutas por uma vida melhor das pessoas.

Boa semana a todas e todos.

William

sábado, 24 de março de 2018

Povo brasileiro terá longa caminhada até a liberdade, pela democracia e justiça social


A natureza brilha com a chuva outonal em Brasília.

Refeição Cultural

"Comecei a suspeitar de que tanto os protestos legais como os extraconstitucionais seriam impossíveis em breve. Na Índia, Gandhi havia lidado com um poder estrangeiro que em última instância era mais realista e previdente. Esse não era o caso com os africânderes na África do Sul. Resistência pacífica e não violenta é eficiente à medida que o seu oponente respeita as mesmas regras que você. Mas se um protesto pacífico é recebido com violência, sua eficácia chega ao fim. Para mim, a não violência não era um princípio moral, mas uma estratégia; não há bondade moral em se utilizar uma arma ineficiente. Mas meus pensamentos sobre este assunto ainda não haviam tomado forma, e eu havia falado cedo demais." (Nelson Mandela, sobre eventos de 1953)


Me peguei neste sábado pela manhã, 24 de março, olhando a chuva cair lá fora. Iria à padaria, mas desisti e fiquei em casa. A natureza em Brasília é exuberante nesta época do ano. Verde, verde.

Assim que a chuva passou, fiquei olhando uma revoada de andorinhas circulando pelo ar, os beija-flores nos flamboyants e patas de vaca e uma curicaca com seu longo bico fuçando na grama.

Retomei a leitura de Mandela. Sem pressa alguma. Reli os dois primeiros capítulos da parte I, Uma Infância no Interior, e depois fui dar sequência onde havia parado, lá na parte IV, A Luta é a Minha Vida. É inevitável não pensar no nosso querido país Brasil, sob novo golpe de Estado desde 2016.

Estou cansado para fazer postagens mais trabalhadas com citações e interpretações e opiniões, mas pensando a situação do país e do povo brasileiro, no meu ponto de vista haverá um recrudescimento da violência por parte daqueles que tomaram o poder, e o povo terá uma longa caminhada até a liberdade e a volta da democracia.

Desde as tais manifestações de junho de 2013, que incendiaram o país e passaram a ser manipuladas pelos donos do poder econômico, liderados pelos meios de comunicação golpistas (PIG), a repressão do Estado contra manifestações identificadas com a esquerda e os movimentos populares passou a ferir seriamente os participantes. 

O ódio foi incentivado pela mídia canalha, e percebe-se a tendência a se aceitar como "normais" milícias fascistas armadas financiadas pela direita (como nesta semana no RS, durante as caravanas do presidente Lula) para impor o terror ao povo, para acuá-lo e convencê-lo a não sair às ruas e manifestar mudanças e apoio político a líderes e causas populares.

SOLUÇÃO PACÍFICA DAS CONTROVÉRSIAS... Eu me formei politicamente no movimento sindical cutista, que me convenceu que as melhores saídas para mudar a condição de vida do povo trabalhador e mais humilde é organizá-lo para conquistar direitos nos locais de trabalho em negociações com patrões, e para disputar os processos democráticos nas estruturas do Estado burguês (com eleições para executivos e legislativos, e com muito poder concentrado no judiciário).

Me formei para acreditar em mudanças através do mundo sindical e partidário - dentro da lógica do one man, one vote -, como já pregava Mandela nos anos 50. (apesar da história da luta de classes demonstrar que a democracia só é aceita pela Casa-grande enquanto lhe é conveniente).


Na companhia de Nelson Mandela, já que
não vejo a família há semanas.

Aí veio o novo golpe em 2016 e colocou por terra todos os avanços sociais que vinham sendo conquistados pelo povo brasileiro através de processos democráticos de organização de massas, processos liderados pela CUT e demais centrais sindicais, pelo Partido dos Trabalhadores e demais partidos do campo da esquerda e popular e por movimentos progressistas em geral.

Neste momento, o brazil do golpe passa por um processo de retrocessos dos direitos do povo semelhante ao que viveu a África do Sul por décadas sob o regime nacionalista dos africânderes e o Apartheid. As injustiças do Estado (da casta que domina os poderes do Estado) já não são sequer disfarçadas. Impunidade aos amigos, a força repressora e injusta do Estado aos inimigos deles.

Sugiro a leitura deste livro autobiográfico de Nelson Mandela porque ele é inclusive muito bonito, ao conhecer a história dos povos sul-africanos.

Bom fim de semana aos amig@s,

William

segunda-feira, 19 de março de 2018

Eleições Cassi - Diário de Campanha (III)



Um olhar para este banco público tão importante para o Brasil.
Os trabalhadores têm uma obrigação histórica de fortalecer a
democracia, e os processos eleitorais nas entidades associativas
como Cassi, Previ e sindicais são exemplos de cidadania.

Olá prezad@s leitores amigos.

Nestas últimas semanas, estamos envolvidos com o processo eleitoral da maior autogestão em saúde do país, a Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil, onde estou terminando um mandato eletivo como Diretor de Saúde e Rede de Atendimento e estou compondo uma das chapas que concorrem para o mandato para a mesma diretoria. Somos a Chapa 1 Em Defesa da Cassi.

Durante o período de campanha, tive a oportunidade de visitar diversas cidades e conversar com muitos associados da Cassi. Meus companheiros e companheiras de chapa também estiveram em diversas cidades na agenda da campanha.

Estive em Fortaleza, Teresina, Brasília, Goiânia (e falei com lideranças de Goiás e Tocantins), João Pessoa, Recife, São Paulo, Campo Grande, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Rio de Janeiro, Florianópolis. Em todas essas agendas, tive a companhia de lideranças sindicais e representativas que nos apoiam. Essa é uma característica forte de nossa Chapa 1 Em Defesa da Cassi, ser a chapa que representa a unidade das principais entidades de luta dos trabalhadores.

Também tive a oportunidade de participar de 3 debates entre as chapas, e outros companheir@s da nossa chapa também estiveram em alguns debates. Estive no Rio de Janeiro, a convite do Conselho de Usuários; em Brasília, a convite da Anabb e da AABB.

Já estamos em processo de votação desde sexta-feira 16 e os associad@s têm até dia 28 de março para participarem do processo democrático. É uma das maiores eleições de entidades de trabalhadores do país. Participam do processo mais de 170 mil sócios da autogestão em saúde.

Hoje, segunda-feira 19, seguimos fazendo campanha e dialogando com os colegas do Banco do Brasil. Foram diversas reuniões com dezenas e dezenas de trabalhadores. Agradeço ao conjunto dos sindicatos que nos apoiam nas cinco regiões do país. 

Nosso compromisso com os associad@s e com suas entidades representativas é defender a nossa Cassi e os direitos dos trabalhadores associados, lutar pela manutenção da solidariedade na Caixa de Assistência, seguir fortalecendo o modelo de promoção e prevenção, através de Atenção Primária e Estratégia Saúde da Família, lutar pela manutenção do poder na gestão paritária entre associados e patrão e seguir fortalecendo a participação social e a transparência no mandato. Os trabalhadores das estatais federais precisam lutar unidos para reverterem as medidas autoritárias do governo ilegítimo, editadas em janeiro para inviabilizarem as autogestões e o acesso dos trabalhadores à saúde (Resoluções CGPAR).

Calculo que já fizemos por volta de 200 reuniões com associad@s neste período. Pedi que todos votem e fortaleçam o processo democrático. O nível de respeito entre nós nas reuniões presenciais demonstra que a comunidade BB em sua expressiva maioria é um exemplo de participação social e maturidade nas discussões do futuro das entidades que nós mesmos construímos em mais de dois séculos de existência deste banco público.

Por fim, eu desejo que o processo eleitoral na Caixa de Assistência desperte a consciência da comunidade Banco do Brasil para a necessidade de envolvimento com a política, com a boa política, porque as ameaças aos direitos históricos dos trabalhadores seguem colocando em risco um patrimônio de décadas de lutas por direitos em todas as áreas e só a luta unitária e a participação de todos poderá manter para as próximas gerações o maior banco público do país, as nossas caixas de saúde e previdência e o conjunto de direitos coletivos que bancários e trabalhadores brasileiros construíram em nossa história de classe.

Entendo que nossa participação neste processo democrático fortaleceu a Cassi e a lutas dos cidadãos trabalhadores. Daqui alguns dias, estaremos todos unidos em defesa da saúde de mais de 700 mil participantes Cassi da comunidade Banco do Brasil.

Nós da Chapa 1 Em Defesa da Cassi pedimos o voto a cada associado e associada e nos colocamos à disposição para os desafios que vêm por aí.

William


Post Scriptum (I) - Saudades da família que já não vejo há semanas. Agradeço a compreensão dela por me apoiar nas ausências por causa de minha militância política em defesa das causas que defendemos. Amo vocês.

Post Scriptum (II) - É tão triste ver a violência vencendo em nosso país. O fascismo e a intolerância dominando os espaços sociais nas cidades brasileiras. É duro ver morrerem pessoas que lutam e defendem um mundo mais justo e solidário. Não podemos desistir de lutar por democracia, justiça, igualdade, liberdade, fraternidade e oportunidades a todos, com mais distribuição de renda. E temos que insistir num mundo onde caibam todos, sem exclusão de nenhum segmento social e que todos tenham acesso aos bens comuns produzido por nós humanos.

sábado, 10 de março de 2018

Eleições Cassi - Diário de campanha (II)



Veredas candangas: às vezes, os caminhos são verdejantes;
mas onde nos levarão as veredas?
Cada escolha, um destino; cada caminho, um caminhar.
Veredas candangas: às vezes, os caminhos são secos e gris.
A vida é assim.
Caminhos a seguir, em contextos diferentes, sempre.
Onde vão nos levar os caminhos? Eis a questão!


Sábado, Brasília, DF.

Acordei com o corpo tão quebrado de cansaço que só um banho quente para me recolocar em pé. Faz parte.

Estamos no meio do processo de consulta ao corpo social da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil para eleger um(a) dos quatro diretor@s da autogestão em saúde e parte dos conselheiros deliberativos e fiscais. Faço parte de uma das quatro chapas inscritas no processo democrático da comunidade de trabalhadores do maior banco público do país.

Já foram três semanas de campanha. Fizemos um percurso grande e o corpo começa a sentir o roteiro, porque todo dia tem o cansativo ir e vir de viagem e se dorme pouco também. Já conversamos com trabalhadores associados à Cassi de diversas partes do país: Ceará, Piauí, Distrito Federal, Goiás, Tocantins, Paraíba, Pernambuco, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná e Rio de Janeiro.

A política e a democracia são meios desejáveis como forma de solução pacífica das controvérsias, como mediadoras para a convivência das opiniões diferentes, estabelecendo decisões que definem os rumos das coisas de interesse coletivo, e também definindo maiorias e minorias, que devem ser respeitadas, mesmo após as definições dos processos democráticos.

Eu aprendi a fazer política quando conheci o movimento estudantil e depois o movimento sindical. Minha formação política no movimento foi algo marcante em minha vida porque eu tinha pouca tolerância ao diferente, ao outro. A política melhorou a minha pessoa ao longo de duas décadas de participação no movimento dos trabalhadores.

Um dos ensinamentos da formação política que tive foi orientar minha energia e inteligência para construir unidade e consenso entre os pares da classe trabalhadora, e depois buscar conciliar saídas que trouxessem avanços para aqueles que representamos nas mesas de negociações. 

Do nosso lado, o dos trabalhadores, quanto mais se investisse tempo para construir consensos, melhor. Melhor inclusive do que simplesmente ver qual argumento/tese teria maioria e votar (ou qual "líder" tinha mais "garrafinhas"), porque se não fosse feito um esforço de convencimento do grupo, ganhava-se a votação, mas perdiam todos, pela desagregação do grupo político, pela desunião de classe. Boa parte do que tenho visto no último período tem sido isso. Sem unidades, perdem os trabalhadores.

Ao aprender essa forma de fazer política buscando o consenso progressivo ou a inclusão dos diferentes nos mesmos processos políticos para estabelecer unidade de nosso lado, o lado da classe trabalhadora, aprendi que fazer política assim nos dá melhores perspectivas para enfrentar os grandes, os maiores desafios, que estão na disputa entre capital versus trabalho, entre o 1% que manda em tudo versus os 99% que são explorados e vítimas de um mundo injusto para o lado mais fraco do estrato social.

Eu estou muito tranquilo com o resultado que for apontado nas eleições Cassi no dia 28 de março. Fiz um mandato republicano e inclusivo que está terminando no dia 31 de maio, onde atuei exatamente como aprendi a fazer política. Busquei a todos e todas durante o exercício de representação dos associados da Caixa de Assistência. Nunca discriminei ou tratei diferente nenhuma força política, liderança ou entidade representativa que existe no espectro político da comunidade Banco do Brasil. Aliás, discordei das teses dos representantes do patrão com urbanidade, porque somos colegas de banco, mas eu represento os interesses do outro lado, os trabalhadores.

O desafio daqueles que estiverem na direção da Cassi nos próximos anos será maior do que aquele que enfrentamos nos últimos quatro, que já foram desafios existenciais, porque foram quatro anos impedindo que os associados perdessem direitos, que a Cassi se desfizesse de sua essência de Caixa de Assistência solidária e inclusiva para o conjunto de trabalhadores da ativa, aposentados, pensionistas e dependentes. E ainda colocamos em alta o modelo assistencial da entidade - Atenção Integral à Saúde via Atenção Primária, Estratégia Saúde da Família, programas de saúde e CliniCassi -, modelo que vinha desacreditado em anos anteriores.

É isso, já falei demais para o cansaço que estou.

Bom fim de semana aos leitores que leram essas breves reflexões.

William


Post Scriptum: saudades da família que só verei ao final desse processo.

Post Scriptum II: Diário de campanha I (AQUI)

segunda-feira, 5 de março de 2018

Eleições Cassi - Diário de campanha



(atualizado em 20/3/18: melhoria de sintaxe)

Imagem que vi nos últimos anos trabalhando em Brasília.

Amanheci em Belo Horizonte, Minas Gerais, nesta segunda-feira 5 de março. Vamos conversar com os trabalhadores sobre as eleições na Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil. Estamos participando do processo em uma das quatro chapas inscritas.

Março é o mês que nos faz lembrar das lutas das mulheres. Há muito que avançar e desejo sucesso na luta pela igualdade de direitos em um mundo vivendo retrocessos políticos e sociais.

Não tenho feito outra coisa nas últimas semanas que não seja conversar com bancários e bancárias da ativa e aposentados associados à Caixa de Assistência, antes de tudo pedindo que todos se envolvam no processo de consulta ao corpo social para renovação de parte da governança da Cassi, que é a única entidade de autogestão em saúde que tem a magnitude de eleger a metade da direção, sendo a outra metade indicada pelo patrão, no caso o patrocinador Banco do Brasil.

Até o momento, a campanha tem sido muito positiva com um processo de apresentação de propostas por parte das quatro chapas inscritas. Isso é fundamental porque a Cassi e os associados precisarão de muita unidade logo após as eleições para enfrentarem o momento mais difícil de sua existência de 74 anos.

Gostaria de escrever mais algumas reflexões, mas meu tempo já se esgotou e tenho que sair correndo para o café e para a rua. 

Termino essa curta postagem dizendo que estou muito tranquilo em relação ao processo eleitoral. Estamos terminando um mandato na Diretoria de Saúde e Rede de Atendimento da Cassi onde colocamos toda a nossa energia, inteligência e combatividade para enfrentar os desafios em fortalecer o modelo assistencial de Atenção Primária e Estratégia Saúde da Família, as políticas e programas de saúde da entidade e a participação social via conselhos de usuários e entidades representativas. Fizemos isso em meio a maior crise de sustentabilidade do setor de saúde e a Cassi está inserida nesta crise.

O que fizemos? Fizemos a Cassi seguir neste período, os associados não perderam nenhum direito e envolvemos o conjunto dos associados e suas entidades nas discussões sobre o futuro da entidade. Já é alguma coisa. Além de fazer o modelo assistencial ser reconhecido como o caminho a seguir.

O fato é que são imensas as dificuldades que a chapa eleita e os demais membros da governança, e sobretudo os trabalhadores associados, vão enfrentar nos próximos anos. São dificuldades existenciais porque as autogestões correm o risco de desaparecerem por causa das medidas autoritárias impostas pelo governo que ocupa a presidência do país.

Desejo boa campanha aos colegas inscritos nas quatro chapas e que a equipe eleita se integre aos que lá estão para buscarem soluções para os desafios colocados à Cassi (a eleição é de uma das 4 Diretorias e de parte dos Conselhos Deliberativo e Fiscal).

Uma coisa eu afirmo em relação ao que penso sobre a Cassi: nossa Chapa 1 Em Defesa da Cassi defende a solidariedade como princípio porque antes da Cassi para os associados existe os associados para a Cassi. Se a solidariedade for quebrada, onerando cada vez mais o trabalhador e excluindo ele do sistema Cassi (por não dar conta de pagar), o sistema vai diminuir a população que atende, que deve ser toda a população de ativos, aposentados, dependentes e pensionistas, como reza o estatuto social. E sua sinistralidade vai aumentar ficando inviável o custeio.

O governo ilegítimo editou medidas que já começam o trabalho de inviabilizar a Cassi não permitindo a entrada de novos no Plano de Associados com os direitos históricos que a comunidade de trabalhadores do Banco do Brasil conquistou em décadas de lutas. Ou derrubamos essas medidas ou fica difícil para a sustentabilidade da Cassi.

Tenho que sair e não posso continuar escrevendo. É isso!

William

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Diário e reflexões - 260218 (Com Brecht, pensando a vida)




Refeição Cultural


"Não desperdicem um só pensamento

1

Não desperdicem um só pensamento
Com o que não pode mudar!
Não levantem um dedo
Para o que não pode ser melhorado!
Com o que não pode ser salvo.
Não vertam uma lágrima! Mas
O que existe distribuam aos famintos
Façam realizar-se o possível e esmaguem
Esmaguem o patife egoísta que lhes atrapalha 
                             [os movimentos
Quando retiram do poço seu irmão, com as cordas 
                            [que existem em abundância.
Não desperdicem um só pensamento com o que 
                           [não muda!
Mas retirem toda a humanidade sofredora do poço
Com as cordas que existem em abundância!

(...)"

(Bertolt Brecht, Poemas 1913-1956, Editora 34)


Já é madrugada de segunda-feira, 26 de fevereiro. Estou em João Pessoa, Paraíba. 

Saí de Brasília, onde mal parei no sábado à noite, para dormir. Passei o dia na estrada, indo e voltando a Goiânia, onde fui falar sobre a Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi) e nossas propostas para ela. Estamos em processo eleitoral.

A semana foi de muito esforço físico e mental e pouco dormir. Não me alimentei adequadamente também. Visitei e conversei com centenas de bancários do Ceará, Piauí, Brasília, Goiás, Tocantins. Serão umas quatro semanas assim.

Isso que relatei da agenda e da rotina, eu levo de boa. Estou acostumado a atuar assim na minha vida de lutas em defesa dos direitos dos trabalhadores. Vejam cada palavra do poema de Brecht acima: eu luto e ponho meu pensamento naquilo que acredito que pode ser mudado, melhorado.

O triste é ver a degeneração dos valores humanos nos últimos anos, tanto no Brasil sob golpe de Estado, como no mundo todo. O triste é ver a destruição de meu país e das oportunidades de melhoria de vida para o povo brasileiro que amo e respeito.

Após o golpe é nítido como o país foi destruído em dois anos e a volta da miséria para o povo ao qual pertenço, o povo da classe trabalhadora, me entristece profundamente. Me dá raiva!

Algo tem que ser feito contra os poucos que destruíram os avanços, as oportunidades e as perspectivas de dias melhores para o povo brasileiro que depende do trabalho e dos direitos sociais, que precisa de um Estado forte e acolhedor para o povo.

Eu estou triste e revoltado com o que vejo. O que me coloca no centro do equilíbrio ainda é ter uma causa pela qual venho dedicando minha vida no último período. Sou movido por causas a defender. Nos últimos anos, foram os direitos dos trabalhadores bancários e as melhorias do país para o povo.

Vamos dormir um pouco e conversar com os trabalhadores nesta semana em algumas regiões do país. A causa que representei neste período que se encerra, direitos em saúde, abrange quase um milhão de vidas. Eu estou me colocando à disposição dos associados da entidade que defendi neste período.

Vim para a Paraíba lendo no voo os poemas de Bertolt Brecht. Nesta fase em que estou de sua obra, os poemas entre 1926-1933, encontrei diversos poemas que refletem fortemente a realidade e o momento por que passam o mundo, o Brasil, o povo brasileiro, o Banco do Brasil, a Cassi, nossas famílias (todos nós ainda temos as dificuldades e tristezas na família).

O poeta e dramaturgo é muito bom. Está valendo a pena conhecer sua obra.

Vamos dormir...

William

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Vamos viajar pelo país na companhia de Bertolt Brecht



Vamos viajar o país na companhia de Brecht.

Refeição Cultural

"Quem se defende

Quem se defende porque lhe tiram o ar

Ao lhe apertar a garganta, para este há um parágrafo
Que diz: ele agiu em legítima defesa. Mas
O mesmo parágrafo silencia
Quando vocês se defendem porque lhes tiram o pão.
E no entanto morre quem não come, e quem não come 
                     [o suficiente
Morre lentamente. Durante os anos todos em que 
                     [morre
Não lhe é permitido se defender."

(Bertolt Brecht, Poemas 1913-1956. Editora 34)


Noite de domingo. Cheguei há pouco em Osasco, São Paulo, para pernoitar e começar uma jornada de mais ou menos cinco semanas de viagens pelo Brasil para participar do processo democrático de consulta aos associados de nossa querida Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil, que vai renovar parte da governança da entidade de saúde, que pertence aos trabalhadores associados.

Ao mesmo tempo em que ficamos tristes ao ver o nosso país passando por uma de suas piores crises políticas na história, ficamos esperançosos em participar de um processo democrático que envolve quase duzentos mil cidadãs e cidadãos brasileiros. Somos oriundos e formados no movimento social desde muito jovem e acreditamos na democracia e na solução pacífica das controvérsias e divergências.

Serão semanas em que dormiremos pouco e viajaremos muito. Correria total. No entanto, eu já exerço um mandato de representação no qual procurei estar presente nas bases sociais ao longo desses quatro anos. Para mim é sempre uma alegria conversar com os trabalhadores. Vamos com o coração leve para o bom debate de ideias. Se depender de nós, o nível da campanha será alto, porque é nossa forma de fazer política.

Nestas primeiras semanas vou levar comigo Bertolt Brecht, o dramaturgo e poeta alemão que viveu um dos períodos mais conturbados do século vinte: as duas Grandes Guerras Mundiais e as crises políticas e econômicas da primeira metade do século passado. 

Eu não sou conhecedor de sua obra. Achei então que ele seria uma boa companhia de viagem, Brecht e sua vasta poética. O contexto que vivemos no Brasil e no mundo é complexo e de grandes riscos e ameaças aos povos como foi a primeira metade do século vinte, que gerou aquelas tragédias humanitárias.

O livro que adquiri tem 260 poemas de Brecht e já estou lendo. Conheci poemas interessantes.

É isso. Vamos seguir em frente e conversar com as pessoas, conversar com nossos colegas da ativa e aposentados da comunidade de trabalhadores a qual pertencemos. 

Eu terminei hoje um conjunto de textos de balanço do mandato que estamos encerrando em maio na gestão da nossa entidade de saúde. Publiquei os textos entre o fim de dezembro e hoje. 

Percorremos um período turbulento no setor de saúde e na própria Caixa de Assistência (e no Brasil), mas fizemos um mandato de resistência e manutenção dos direitos, e atuamos para fortalecer o modelo assistencial da entidade e a participação social. 

Quem se interessar em ler os textos de balanço é só clicar AQUI.

Abraços aos leitores amig@s.

William

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Leitura: Nada de novo no front (1929) - Erich Maria Remarque




Refeição Cultural

"Dois homens morrem de tétano. A pele fica lívida, os membros enrijecem e, por fim, só os olhos teimam em viver. Muitos têm o membro atingido suspenso no ar por uma espécie de roldana; embaixo, colocam uma bacia, para onde escorre o pus. De duas em duas, ou três em três horas, eles esvaziam-na. Outros ficam em tração, com pesados sacos de areia que pendem da cama. Vejo ferimentos nos intestinos, que estão constantemente cheios de fezes. O auxiliar do médico mostra-me radiografias com ossos do quadril, joelhos e ombros totalmente esmagados.

Não se consegue compreender como, em corpos tão dilacerados, ainda há rostos de seres humanos, em que a evolução da vida prossegue normalmente. E, contudo, isto aqui é um único hospital, uma única enfermaria. Na Alemanha, há cem mil, cem mil na França, cem mil na Rússia. Como é inútil tudo quanto já foi escrito, feito e pensado, mentiras e insignificâncias, quando a cultura de milhares de anos não conseguiu impedir que se derramassem esses rios de sangue, e que existam aos milhares estas prisões, onde se sofrem tantas dores. Só o hospital mostra realmente o que é a guerra.

Sou jovem, tenho vinte anos, mas na vida conheço apenas o desespero, o medo, e a mais insana superficialidade que se estende sobre um abismo de sofrimento. Vejo como os povos são insuflados uns contra os outros, e como se matam em silêncio, ignorantes, tolos, submissos e inocentes. Vejo que os cérebros mais inteligentes do mundo inventam armas e palavras para que tudo isto se faça com mais requintes e maior duração. E, como eu, todos os homens da minha idade, tanto deste quanto do outro lado, no mundo inteiro, veem isto; toda a minha geração sofre comigo. Que fariam nossos pais se um dia nós nos levantássemos e nos apresentássemos a eles, para exigir que nos prestassem contas? Que esperam de nós, se algum dia a guerra terminar? Durante todos estes anos, nossa única preocupação foi matar. Nossa primeira profissão na vida. Nosso conhecimento da vida limita-se à morte. Que se pode fazer, depois disto? Que será de nós?"

(Nada de novo no front, Erich M. Remarque, 1929)


Reflexões como essa do jovem personagem Paul Bäumer, personagem inspirado nos jovens dilacerados na realidade bárbara dos campos de batalha da 1ª Guerra Mundial, são as reflexões que têm permeado meus pensamentos já faz algum tempo, principalmente depois que se desenhou a estratégia vitoriosa da direita capitalista de desestabilização dos governos democrático-populares da América do Sul dos anos 2010 adiante, incluindo o gigante Brasil, que sucumbiu a Golpe de Estado em 2016 e que vai se desfazendo enquanto país soberano nas mãos de uns quinhentos humanos lesas-pátrias (e os 200 milhões de cidadãos não fazem nada contra eles!)

Com a nova etapa de crise do sistema capitalista, com um marco importante a partir das consequências do crash das bolsas no evento subprime em 2008, e somando a secular questão da disputa de hegemonia e domínio da produção e distribuição de petróleo no mundo, tenho a impressão que não passaremos sem algum tipo de conflito armado de escala mundial ainda na primeira metade do século 21.

Um século atrás, homens de Estado (os "impérios") definiam as guerras, definiam as fronteiras, organizavam e distribuíam as colônias e humanos de exploração no tabuleiro mundial e colocavam seus jovens filhos, os proletários e os despossuídos nos fronts de batalha.

Um século depois, pátria e países são questões secundárias. Homens e suas corporações definem as guerras, o destino do mundo; definem os orçamentos públicos; definem as fronteiras, regiões e humanos a serem explorados no tabuleiro mundial. Patrocinam mercenários de ternos e camisas de marca nos espaços da burocracia estatal para darem canetadas com efeitos de bombas na vida de milhões de cidadãos civis.

O mundo pertence a algumas corporações da indústria armamentista, farmacêutica e de ciências, de tecnologia, do entretenimento, das comunicações. Além dos bancos e banqueiros, Google, Microsoft, Facebook, Aple, Amazon e mais algumas corporações detêm as ações mais valiosas da história.

Em um mundo de mais de 7 bilhões de humanos, poucas corporações e seus donos, acionistas, CEOs ou seja lá que nome que adotem têm o poder de decidir sobre a vida e a morte (por miséria) do conjunto da população global e decidem sobre destruir mais rápido ou não o único planeta habitável para nossa espécie e milhões de outras.

Que chato ficar repetindo isso! É provável que os leitores digam que sabem disso. Então, pra que gastar tempo escrevendo isso, se dá tanto trabalho produzir um texto reflexivo sobre essas questões? Gasto tempo nisso porque se eu desistir de alertar e levar minhas reflexões para uns poucos que consiga acessar, a vida não terá sentido. Se não houver esperança e resistência na luta por um mundo melhor para todos, não valerá a pena viver. Mas, desistir não é uma opção!

Tenho atualmente pouquíssimo tempo livre para estudos e reflexões sobre os temas políticos que definem o mundo, o nosso mundo da classe trabalhadora. Consumo meu tempo integral na defesa dos direitos em saúde dos trabalhadores associados à entidade de autogestão em que atuo como representante eleito. Não deixa de ser um fragmento da luta maior da classe trabalhadora, mas meu front é esse e envolve quase um milhão de vidas humanas.

VOLTANDO AO LIVRO de Remarque que nos coloca no meio das trincheiras, lama, sangue, ratos, bombas, gás mortal, hospitais com gente dilacerada pela guerra, eu recomendo a leitura porque esse cenário não é uma estória da carochinha. A crise que o mundo enfrenta por causa de poucos donos do mundo que decidem sobre a vida de bilhões, e em benefício de alguns milhares deles, é uma crise que pode nos levar a guerras mais sangrentas que as já conhecidas na história.

A crise em que os golpistas colocaram o Brasil tem efeitos semelhantes à clássica abertura da Caixa de Pandora. Todos os males e demônios foram soltos e não se volta para a situação anterior com um aperto de botão. Eu não acredito que haverá solução institucional e democrática em 2018. Não há mais democracia no país, e as instituições da República fizeram e fazem parte do golpe de uma casta contra o povo todo. Por mais que haja gente correta e decente nos aparelhos do Estado, um conceito de casta/corporação tomou conta deles. Me parece que são eles contra o povo, e estão fazendo chacota do povo, por não verem reação alguma à altura.

Termino citando um trecho de excelente artigo de Maria da Conceição Tavares, no site Carta Maior, pois felizmente ainda temos fonte de qualidade para dar subsídios aos militantes por um mundo justo e solidário e que não concordam com o que está aí:

---------------------------------------------------

"O Estado sempre foi a nobreza do capital intelectual, da qualidade técnica, da capacidade de formular políticas públicas transformadoras. O que se fez no Brasil é assustador, uma calamidade. É necessário um profundo plano de reorganização do Estado até para que se possa fazer políticas sociais mais agudas. Chegamos, a meu ver, a um ponto de bifurcação da história: ou temos um movimento reformista ou uma revolução. A primeira via me soa mais eficiente e menos traumática. Ainda assim, reconheço, precisaremos de doses cavalares do medicamento para enfrentarmos tão grave enfermidade. Os sintomas são de barbárie. Parece um fim de século, embora estejamos no raiar de um. Em uma comparação ligeira, lembra o começo do século XX. Os fatos levaram às duas Guerras Mundiais. Aliás, a guerra, ainda que indesejável, é uma maneira de sair do impasse..."

(Restaurar o Estado é preciso, ler artigo AQUI). O destaque sublinhado é meu.

-----------------------------------------------------

O que falta ainda para os jovens, que têm a energia vital em suas veias, e o povo trabalhador e simples, lesado pelo Golpe, acordarem para o fato que uns poucos humanos estão em alguns postos chaves do Estado nacional destruindo o passado, o presente e o futuro do Brasil?

Neste momento, passados quase dois anos de domínio dos golpistas, não vejo "nada de novo no front". Mas alimento a esperança de ver uma reação popular logo ali, na próxima batalha. E que não demore dezenas de anos, porque acho que não vai sobrar nada do país.

Abraços aos valoros@s leitores que conseguimos acessar, enquanto os donos das ferramentas de estabelecimento de ideologias das classes dominantes acessam milhões de leitores em suas plataformas de comunicação de massa.

William