domingo, 6 de junho de 2010

Filme: O Iluminado, de 1980, de Stanley Kubrick

Foto divulgação do filme

Finalmente, assisti a mais um filme "inédito" para mim. É como tenho escrito: em matéria de filme, estou sempre bem fora do tempo.


Quando adolescente, cheguei a ler alguns livros de Stephen King como A incendiária, O cemitério, Christine - o carro assassino, A zona morta, e sempre tive o livro O iluminado, mas não consegui lê-lo.


Também assisti ao clássico Carrie, a estranha. O filme foi sucesso nos anos oitenta. Também gostei da adaptação de Christine - aquele plymouth fury 1958 vermelho. A adaptação de Pet Sematary deu pro gasto.


Cheguei a fazer a loucura de ler A incendiária em um dia. O livro é enorme e li até acabar.


Mas voltando ao filme O Iluminado, acho que o mais sensacional dele é a questão da sonoplastia. A cada instante, parece que algo terrível vai acontecer, inclusive quando aparecem as legendas identificando dias e a passagem do tempo.


Gostei do filme. Não é mais meu estilo de filme, mas não posso deixar de admirar um filme clássico tão bem feito quanto esse, que assusta só de ouvir a música e de olhar para as expressões de Jack Nicholson, este sim, é um dos atores com as expressões mais fortes que conheço.

2 comentários:

Sérgio disse...

Hoho... acompanho seu blog William já há algum tempo, fico muitíssimo satisfeito com as leituras e reflexões. O Iluminado é um filme instigante... assistindo com um amigo a cena em que Nicholson bebe uma dose de Jack Daniel's ficamos surpresos com nossa reação: tivemos vontade de experimentar aquela bebida que parecia ser deliciosa. Um grande diferecial do ator de o Iluminado é como faz parecer real suas imaginações, ainda que sabidas pelo espectador.

William Mendes disse...

Sérgio, outro filme com ele que gostei muito foi "A promessa", se não tiver visto ainda, veja. A interpretação dele é brilhante. Abraços,