domingo, 9 de novembro de 2008

AULAS DE FILOLOGIA DO PROFESSOR MARCELO MODOLO

OBJETIVOS DA MATÉRIA:
Apresentar uma introdução à Filologia Portuguesa, stricto e lato sensu. Mostrar a necessidade de busca do texto fidedigno, como edição de documentos, manuscritos ou impressos. Valorizar o estado de língua em que foi escrito originalmente o documento.

PROGRAMA:
1) Conceito e objeto da Filologia, 2) Relações com a Diplomática, com a Codicologia e com a Paleografia, 3) O documento original e a cultura de sua época, 4) A Crítica Textual, 5) O exame de testemunhos, 6) Os tipos de edição, 7) As etapas do trabalho filológico, 8) Critérios de edição do manuscrito medieval, 9) Critérios de edição do manuscrito moderno, 10) Estudos de língua em manuscritos brasileiros editados.


Sobre os conceitos de filologia a partir dos autores estudados, o professor os separou entre os que usam o conceito amplo e os que usam o conceito de crítica textual.

Amplo: Carolina Michaëlis e Leite deVasconcelos.

Crítica textual: Coseriu (romeno); Herculano de Carvalho (português); Malmberg (sueco).

A filologia foi perdendo ‘nacos’ e ficou a crítica textual, ou seja, voltada à edição de textos.

O autor Maximiano de Carvalho acha melhor essa delimitação, pois a lingüística já tomou as outras partes para si.

Filologia = crítica textual = edótica.

RELAÇÕES COM AS DEMAIS DISCIPLINAS FILOLÓGICAS:

a) paleografia: não apenas técnica de decifração de escritas antigas mas história da formação e evolução dos sistemas gráficos de representação verbal e ainda classificação e tipologia dos alfabetos, das práticas e dos materiais escriptórios;

b) Codicologia: estudo do livro manuscrito como artefato, com relevo para os materiais, processos e arquitetura da sua confecção, para os centros produtores (ex: scriptoria e chancelarias medievais) e para a sua circulação;

c) Manuscriptologia: disciplina muito recente, analisa autógrafos (manuscritos ou dactiloscritos), com o fim de, nos traçados da escrita, da rasura e da reescrita, reconstituir o percurso visível da gênese do texto.


NORMAS PARA UMA EDIÇÃO SEMIDIPLOMÁTICA
(texto do prof. Megale)

USOS DE CADA TIPO DE EDIÇÃO:

FAC-SIMILADA +++ = PALEOGRÁFICOS
DIPLOMÁTICA ++ = LINGÜÍSTICOS E FILOLÓGICOS
SEMIDIPLOMÁTICA + = LITERÁRIO
MODERNIZADA = LEIGOS, DIVULGAÇÃO, HISTORIADORES (conteúdo)
EDIÇÃO CRÍTICA = QUALIDADE DAS PUBLICAÇÕES e EDIÇÕES DE LIVROS.

Observações feitas durante a transcrição de manuscritos em aula:

As palavras proparoxítonas comumente eram escritas e faladas com a redução do número de sílabas. Exemplos:
Árvore (arvre); abóbora (abobra) fósforo (fósfro) etc

Até o século XVI havia alternância i – j e u – v

Nenhum comentário: